fbpx
Ir para o conteúdo
Para Grávidas Para Mães e Filhos Plano de Saúde para Crianças

Tudo sobre Plano de Saúde para Recém Nascido

Se você está grávida, pensa em engravidar ou já teve seu bebê, saiba agora como funciona o plano de saúde para recém nascido.

Leitura: 12 min
1275 visualizações

Você sabe exatamente tudo sobre plano de saúde para recém nascido? Conhecer os pequenos e os grandes detalhes desse tipo de serviço evita contratempos na hora de contratar uma operadora para cuidar da saúde dos seus filhos.

Sempre ficam aquelas dúvidas sobre o que se tem e o que não se tem direito. Por mais semelhantes que sejam, os planos de saúde direcionados para os mais jovens têm as suas particularidades.

Vamos conhecê-las? Destacamos algumas das principais questões a serem levadas em conta na hora de assinar o contrato de um plano de saúde para recém nascido. Confira.

plano de saúde para recém nascido

Plano de Saúde para Recém Nascido, como funciona?

Algumas mães e pais querem incluir o seu filho logo ao nascer em seus planos de saúde, mesmo a criança tendo a cobertura dos primeiros exames e, geralmente, um acompanhamento médico por 30 dias após o nascimento, feito pelo hospital que realizou o parto.

Pensar nessa inclusão é, de fato, favorável e um bom passo a ser dado. A adesão do plano de saúde para recém-nascido se dá sob três maneiras:

Inclusão do filho no plano já existente

Para incluir o filho no plano de saúde para recém nascido já existente, a mãe da criança já possui um serviço de plano de saúde e apenas inclui a criança para que ela faça uso dos serviços tranquilamente.

De acordo com normativa da Agência Nacional de Saúde – ANS – , os pais podem fazer a inclusão de seus filhos recém-nascidos no plano de saúde da família gratuitamente.

O bebê também passa a usufruir a mesma carência da mãe, desde que esse registro se faça com, no máximo, 1 mês após o nascimento.

Então, a criança fica livre de cumprir todos os prazos de carência, levando em conta o contrato da mãe.

Se não existirem mais carências a serem cumpridas pela mãe, o bebê também não terá limitações na hora de usar o plano de saúde. Caso haja uma carência parcial, o mesmo acontecerá com a criança.

Inclusão do filho em um novo plano feito a partir do nascimento

Você também pode fazer um novo contrato exclusivamente para seu filho, recorrendo à uma operadora do serviço após o nascimento da criança.

Nesse caso, o contrato passa e valer de acordo com as normativas de uma nova adesão de um plano de saúde para recém nascido. Prazos de carência, atendimento, liberação de exames, etc ocorre como em qualquer outra situação.

Por saber que crianças possuem necessidades diferenciadas de atendimento, algumas empresas disponibilizam atendimento exclusivo para esses pequenos.

A partir daí, planos com perfis mais focados no atendimento infantil são vendidos. Você pode ver com a sua operadora de planos de saúde se a mesma possui esse tipo de serviço.

Contratação do plano de saúde a partir da gravidez

O plano de saúde para recém nascido também pode ser contratado a partir do momento em que a mãe descobre a gravidez.

Aqui entram duas questões, sendo uma, referente ao atendimento pré-natal e a outra aos direitos do recém-nascido.

A mãe fará o plano de saúde para recém nascido, contudo terá a cobertura para todo o pré-natal, mas somente esse tipo de atendimento. Em caso de cobertura de saúde total, um novo plano deve ser feito em seu nome, além do da criança.

A segunda questão é que, por ser feito um plano antes da gravidez, o procedimento de inclusão segue normalmente, como foi indicado no primeiro tópico.

Os pais têm até 30 dias para avisar ao plano de saúde que o bebê nasceu e o mesmo passar a usufruir dos seus direitos de atendimento.

Plano de saúde familiar ou individual para o recém nascido?

Essa é uma questão que envolve detalhes bem particulares de cada associado ou grupo.

Se você tem uma família que se encaixa em um plano de saúde oferecido por uma operadora, de fato sairá bem mais barato e com melhores serviços.

A burocracia para contratação também é bem menor e todos sairão beneficiados sem a necessidade de fazer mais de um contrato, analisar mais de um perfil, etc.

Os planos de saúde familiares se tornam dispensáveis quando as necessidades de toda a família diferem entre si.

Se os seus filhos precisam de um atendimento mais diferenciado, que está fora do englobado no perfil oferecido pela operadora, nesse caso se faz mais justo uma contratação individual.

Trata-se de planos mais personalizados, levando em conta o atendimento de cada. Eles serão melhores, mesmo que um pouco mais caro.

O motivo é bem simples de ser explicado: se você faz um plano familiar – que não cubra as necessidades da criança – além desse serviço, correrá o risco de precisar pagar por uma consulta particular quando não houver cobertura do plano para o problema do seu filho.

O caso acima é bem exemplificado para famílias com crianças que possuam alguma deficiência funcional ou física. Para esses casos, um plano mais básico não é o suficiente e se faz indispensável a busca por uma operadora que oferte um plano mais completo.

Uma dica é tentar um desconto com o corretor da empresa, a fim de fazer o plano personalizado e individual da criança e outro que seja para a família inteira.

plano de saúde para recém nascido

Dicas importantes sobre o plano de saúde para seu filho

Antes de contratar um plano de saúde para recém nascido, vale lembrar de alguns pontos importantes.

Eles evitam gastos extras por falta de atendimento, como problemas na prestação de serviço. Lembre-se que você busca um plano de saúde para evitar contratempos e não para tê-los!

1. Analise todas as carências do perfil contratado

As carências são legais e toda operadora de plano de saúde tem o direito de cobrá-las. Elas se referem ao tempo de espera que o associado tem antes de usar os serviços da empresa.

Algumas carências são menores de 24 horas ou até menos, mas existem aquelas maiores que podem se estender por até 2 anos e meio.

Saber quanto tempo será necessário esperar para alguns atendimentos é válido para saber qual empresa oferece os melhores serviços em relação à carências ou simplesmente para ter uma programação financeira para cobrir um tratamento enquanto o plano libera o atendimento.

Existem algumas operadoras de planos de saúde, como a Uninfância, que apresentam planos diferenciados, inclusive em relação às carências.

Por ser um serviço exclusivo de crianças, eles atendem exatamente às necessidades dessa faixa de idade, sabendo que os pequenos clientes possuem um perfil diferente e, consequentemente, precisam de um atendimento também diferenciado.

Clique aqui e peça uma tabela de preços de um plano de saúde para recém nascido.

2. Evite plano com coparticipação

Para quem não sabe ainda como funciona esse método, planos com coparticipação são aqueles onde você além da taxa mensal de manutenção do plano, ainda tem que pagar uma parcela da consulta, que varia muito de operadora para operadora.

Esses planos tornam-se atrativos por terem o valor consideravelmente menor, mas quando se trata de um serviço para crianças, não vale a pena, já que a frequência em levá-los ao médico é maior.

As crianças precisam de médicos com mais frequência do que adultos. Então, como os retornos em consultas e idas à hospitais é bem maior, no final do mês, você pode ter gastado além do que a mensalidade daquele outro plano sem coparticipação.

Também há a questão de você precisar ter uma reserva financeira para cobrir as consultas de emergência e urgência quando for preciso.

3. Busque por planos de saúde que tenham uma boa equipe de médicos para o recém nascido

Se a intenção é deixar a saúde do seu filho assegurada, você precisa levar isso em conta na hora de optar por um plano de saúde para recém nascido e não o outro.

A tendência é sempre ver o que o plano cobre e qual o valor da mensalidade. Isso não é errado, mas se você contrata um serviço de uma empresa que não tem uma equipe considerável de médicos para criança, vai acabar com gastos extras e um pouco de dor de cabeça com a prestação do serviço.

Uma boa dica para evitar esse problema é buscar referências. Isso pode acontecer com o pediatra do seu filho, perguntando quais os planos ele atende e quais ele acha mais conveniente para os pequenos.

A partir daí você já tem um filtro bem grande e as opções reduzidas. Também vale conversar com pais de crianças na mesma faixa de idade que o seu filho e questionar como anda o atendimento médico pela operadora que eles utilizam.

4. Proximidade com sua residência deve ser um diferencial para atendimento de urgência

Vira e mexe crianças se machucam seriamente e por serem seres sem muita imunidade, adoecem com frequência e, por isso, você não quer estar despreparado.

É nesse momento que a proximidade da sua casa com aquele hospital credenciado pelo plano de saúde, conta consideravelmente.

Em alguns casos não dá para enfrentar um trânsito complicado ou viagens longas de carro para atravessar a sua cidade porque o hospital mais perto fica a quilômetros do seu bairro.

Para finalizar

A saúde do seu bebê deve ser a sua prioridade agora. E se você está grávida ou acabou de ter neném e ainda não contratou seu plano de saúde ainda, não espere mais. Clique aqui, preencha seus dados, e aguarde um corretor entrar em contato.

Escolher um plano de saúde para seu filho não é uma ação complicada, mas é bastante delicada e por esse motivo exige atenção. Ficou mais simples depois de nossas dicas? Deixe seu comentário!

Recomendado para você:

Postagens mais vistas:

Faça um orçamento: