fbpx
Ir para o conteúdo
Saúde

Tire todas as suas dúvidas sobre Pedra na Vesícula (Cálculo Biliar)

Leitura: 13 min
41283 visualizações

Reza a lenda que poucas dores são iguais ou mais fortes do que a da pedra na vesícula —cálculo biliar ou colelitíase —, e quem já teve afirma que não há nenhum exagero nessa afirmação.

Estima-se que esse mal afete hoje 20 milhões de pessoas só nos Estados Unidos e cerca de 20% dos brasileiros entre 35 e 65 anos.

Mas, afinal, o que é essa doença tão comum e que causa essa dor desesperadora? Por que ela acontece e qual a extensão de seus danos? Como o plano de saúde pode ajudar a evitar e a tratar a pedra na vesícula? O que comer para não agravar o problema?

Aproveite este post para tirar todas as suas dúvidas e passar o mais distante possível desse problema. Confira tudo sobre o assunto!

O que é pedra na vesícula?

A doença é comum, mas não é por isso que não merece atenção. Muito pelo contrário: quando não tratada adequadamente, o cálculo biliar pode levar ao óbito.

A maioria das pessoas conhece a doença como pedra na vesícula, mas na verdade o cálculo biliar é caracterizado por qualquer massa sólida, de qualquer tamanho, que se aloje na vesícula, o órgão responsável pela produção da bílis e que fica localizado logo abaixo do fígado.

A bílis, por sua vez, que também é produzida pelo próprio fígado, é o fluido responsável por digerir e excretar as gorduras, regular a função intestinal e captar nutrientes.

Estes sais e gorduras que ficam armazenados na vesícula, muitas vezes, acabam se solidificando e formando os cálculos. Geralmente, essa cristalização é causada por partículas de colesterol no órgão, responsável por 75% dos casos.

Dependendo do tamanho, o cálculo pode ficar preso no duto biliar e bloquear o fluxo da bile para o intestino, causando a dor intensa relatada pelas pessoas que sofrem ou já sofreram com o problema.

Quais as causas e sintomas do cálculo biliar?

Os cálculos biliares podem ter origem hereditária, alimentar ou hormonal, mas são vários os fatores de risco para a alteração do estado da bile. Alguns deles são:

  • obesidade;
  • diabetes;
  • sedentarismo;
  • tabagismo;
  • hipertensão;
  • alimentação rica em gorduras e carboidratos, mas pobre em fibras;
  • predisposição genética;
  • uso prolongado de anticoncepcionais;
  • elevação do nível de estrogênio.

Muitos desses fatores explicam a incidência maior de cálculos biliares nas mulheres. A incidência é maior nas mulheres entre 45 e 55, oscilando entre 10% a 30%. Já no homem, antes dos 70 anos, esse número é de apenas 5%.

A partir dessa idade, no entanto, a incidência aumenta consideravelmente, aproximando-se do que ocorre com as mulheres.

Existem outros fatores de risco que podem acabar em um cálculo biliar, portanto, é preciso estar atento:

  • durante a gravidez;
  • com uso de medicamentos que baixam o colesterol;
  • com a perda peso muito rápida;
  • doença no intestino delgado ou alguma cirurgia na região;
  • em casos de Hemólise crônica (destruição das hemácias).

É preciso atenção, por que os cálculos biliares tanto podem ser assintomáticos, como podem causar dores intensas no lado direito superior do abdome ou nas costas.

Essa crise de cólica costuma começar cerca de 30 minutos após a refeição, e permanece enquanto o cálculo estiver no duto — diminuindo se ele deslocar de volta para a vesícula ou for empurrado para o intestino.

As dores podem ainda ser acompanhadas por náuseas, vômitos e febre. Além desses sintomas, quem sofre com um cálculo biliar pode notar um inchaço abdominal, dor nas costas, fezes claras e icterícia (amarelamento da pele e da área branca dos olhos).

Como prevenir pedra na vesícula? 

A prevenção é bastante simples: ingestão de bastante água. É a água que dissolve os sais minerais dos alimentos, evitando que eles se acumulem.

urina sai limpinha, cristalina. No entanto, quando a água ingerida não é suficiente para diluir essas substâncias, os sais se condensam formando as pedras.

Além da ingestão da quantidade ideal de água diariamente, diabéticos e obesos devem redobrar a atenção, aumentando a frequência de seus check-ups.

Fazer exercícios regulares, manter-se no peso ideal, parar de fumar e evitar alimentos gordurosos também são cuidados que ajudam a prevenir as pedras na vesícula.

Tenho pedra na vesícula, o que posso comer? 

A alimentação errada é um fator de risco para o desenvolvimento de pedra na vesícula, da mesma forma, uma alimentação saudável faz parte da prevenção e do tratamento. Por isso, se você já tem cálculo biliar, precisa prestar atenção no que pode e o que não pode ser ingerido para não agravar a situação.

É importante entender que os cálculos já formados não podem ser eliminados apenas com uma dieta. Nessa fase, os alimentos funcionam apenas como uma ferramenta que ajudam na diminuição dos sintomas e também no risco de agravamento da doença.

Entretanto, a dieta é muito eficiente quando os cálculos ainda não se formaram, portanto, é importante manter uma alimentação equilibrada.

Como o colesterol responde a 75% dos casos da doença, as comidas com alto de teor de gordura não são indicadas. Portanto, evite frituras, carnes muito gordurosas, alimentos processados, ovos, leite e derivados, além do açúcar em excesso.

Porém, a gordura certa é imprescindível para o bom funcionamento do organismo, então, você deve saber escolher os alimentos. A melhor forma de conseguir essas gorduras benéficas é através de óleos saudáveis — como o azeite de oliva, por exemplo — carnes magras, frutos do mar e peixes, como o salmão.

Outra dica é não concentrar uma quantidade muito grande de gorduras, mesmo que boas, em uma única refeição. O ideal é fracionar a quantidade de refeições em um dia e distribuir bem a gordura entre elas.

As fibras contidas em alimentos, como aveia, brócolis e maçã, são ótimas para manter o bom funcionamento do intestino. Isso ajuda não só com o cálculo biliar, mas também com outros problemas relacionados à doença, como obesidade, diabetes e controle do colesterol.

Veja outros alimentos dos quais você pode investir:

  • legumes e vegetais em geral, principalmente quando cozidos;
  • frutas ricas em fibras, como a goiaba, morango e abacaxi;
  • alimentos integrais, como macarrão, pão integral e cereais.

Existem receitas naturais que podem ajudar a prevenir o cálculo biliar?

Algumas receitas caseiras, bem fáceis de fazer, também podem ajudar a reduzir o risco de cálculo biliar — mas, lembre-se, nada substitui a consulta e as orientações de um médico, lembrando que esse tipo de consulta você consegue com facilidade através do seu plano de saúde.

Enfim, essas receitas têm componentes que tanto tentam impedir o condensamento dos sais minerais como buscam facilitar a sua expulsão, quando já se tornaram pedras.

Uma delas é o suco com vinagre de maçã, rico em antioxidantes que ajudam a reduzir o colesterol. Para fazê-lo basta bater cinco maçãs bem lavadas no liquidificador e extrair seu suco, depois é só adicionar uma colher de sopa de vinagre de maçã. A receita deve ser ingerida em jejum.

Outra receita, dessa vez rica em pectina, uma fibra solúvel que evita a formação dos cálculos, é o suco de pera. Ele deve ser preparado com meio copo de água para quatro peras e uma colher de sopa de mel.

Já o açafrão, quando incluído regularmente na dieta, é um poderoso desintoxicante que ajuda a remover o excesso de colesterol, sais e ácidos, prevenindo também a pedra na vesícula.

Se você já tem o cálculo biliar e quer apostar nessas receitas, lembre-se de aliá-las ao tratamento que o médico indicar. Assim, você pode obter resultados mais expressivos em menos tempo.

Quanto mais você cuidar da sua saúde e da sua alimentação, mais fácil será eliminar os cálculos menores, sem a necessidade de passar por uma cirurgia mais complexa.

Como posso tratar essa doença? 

Dependendo dos sintomas, o tratamento dos cálculos biliares pode ser feito através da alimentação, ondas de choque, medicação para diluir o cálculo — caso ele seja constituído de colesterol — ou apenas com a cirurgia, na qual a vesícula é totalmente retirada.

A cirurgia é necessária, principalmente, quando o tamanho da pedra é grande e está ocasionando algum tipo de obstrução nos órgãos.

Quando o paciente, por algum motivo, não pode fazer a cirurgia, o tratamento costuma ser feito através de ondas de choque que procuram quebrar as pedras, facilitando a sua expulsão através do intestino.

Posso viver sem a vesícula?

Sim, é perfeitamente possível viver sem a vesícula biliar e muitas pessoas já vivem sem ela depois de passarem pelas dores da pedra na vesícula. No entanto, os cuidados com a alimentação adequada devem ser redobrados.

Com a retirada da vesícula, o fígado não tem mais onde armazenar a bílis produzida. Assim, com a produção de bílis menor que o habitual, a gordura ingerida não será desintegrada como deve, o que vai gerar um acúmulo no corpo, podendo causar doenças graves.

É preciso continuar evitando os alimentos muito gordurosos — como leite e seus derivados, embutidos, açúcares e refrigerantes. Os alimentos sugeridos aqui também funcionam nesse caso, mas o ideal é procurar um nutricionista que avalie suas necessidades pessoais.

Como o plano de saúde pode me ajudar?

plano de saúde fornece os melhores especialistas e a facilidade de fazer exames clínicos e laboratoriais sem fila de espera. Dessa forma é mais fácil monitorar sua saúde e fazer o tratamento assim que aparecerem os primeiros sintomas de cálculo biliar.

Além do mais, a cirurgia de retirada da vesícula consta do rol de procedimentos obrigatórios da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), reguladora das operadoras de saúde.

Fique de olho apenas nos prazos de carência do seu plano de saúde. Agora que você já sabe o que é pedra na vesícula, o que comer e o que não comer para evitar o problema e até mesmo como tratá-lo, não há mais desculpas para deixar os cuidados com a saúde de lado.

A prevenção é o melhor remédio para qualquer problema de saúde, portanto, mantenha a atenção nas dicas de alimentação que você conferiu aqui, combinado?

E se você se interessou em fazer um plano de saúde, confira nossa tabela de preços e solicite um orçamento personalizado.

Saiba quanto realmente custa um bom plano de saúde!Powered by Rock Convert

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: