fbpx
Ir para o conteúdo
Plano de Saúde para Empresas

Riscos de um plano de saúde empresarial

Leitura: 3 min
1218 visualizações

Os bons ventos parecem querer soprar em 2017, mas na prática ainda tem muita gente com o pé atrás, tirando o plano de saúde do orçamento como se não fosse prioridade. O que é um perigo, porque nunca se sabe quando ele será necessário, já que a saúde pública continua na UTI, sem sinais de melhora. Neste cenário, algumas pessoas têm trocado o plano de saúde familiar ou individual pelo plano de saúde empresarial, cujas mensalidades chegam a ser até 30% mais baratas – sem levar em consideração que ele apresenta alguns riscos que os anteriores não têm. Se este é o seu caso, pode ser uma boa ideia ficar a par de alguns possíveis problemas.

Vantagem no início, prejuízo depois 

O plano de saúde empresarial para pequeno ou micro empresário geralmente aceita contratos a partir de duas vidas, o que é uma boa opção para quem é pessoa jurídica (possui CNPJ) e quer incluir o cônjuge e/ou os filhos. No entanto, estes contratos que abrangem até 29 vidas têm reajuste definido de forma diferente dos individuais e familiares, para os quais a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabelece um teto máximo. Para os contratos empresariais o reajuste é definido unilateralmente pela operadora sem a regulação da ANS, sendo mais altos.

Por conta disso, o que acontece é que a mensalidade, a princípio 30% mais barata, ao longo de cerca de cinco anos vai ficando mais cara, até que ultrapassa o valor dos planos de saúde individuais. Como a maioria absoluta das operadoras não comercializa mais contratos individuais, não é possível fazer a migração de volta, por isso se você está pensando em passar de um individual ou familiar para um empresarial, analise bem antes de tomar a sua decisão.

Possibilidade de rescisão após 1 ano de contrato 

No plano de saúde empresarial, desde que a comunicação seja feita com 60 dias de antecedência, qualquer das partes pode rescindir o contrato após 1 ano de vigência. Isso é especialmente complicado se em um contrato de três vidas, por exemplo, uma delas recebe o diagnóstico de uma doença grave, cujo tratamento pode chegar a muitos milhares de reais. A questão, no mínimo, é preocupante, ainda que o beneficiário possa recorrer na Justiça.

Já no plano individual ou familiar isso não acontece. A rescisão de contrato só pode ser feita pela operadora se houver ausência de pagamento por 60 dias ou mais, consecutivos ou não, dentro de um período de um ano.

A troca vale a pena em algum momento? 

A troca de um plano individual por um plano de saúde empresarial só vale a pena se esta for realmente a última alternativa, ou seja, é melhor tê-lo do que ficar sem nenhum. No entanto, é preciso estar ciente dos riscos corridos para evitar surpresas desagradáveis com o passar do tempo ou em um momento de maior necessidade.

Por isso, pense bem antes de fazer a troca do seu plano. Para conhecer outras alternativas, converse com um vendedor especializado e veja o que ele pode fazer por você.

Plano
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Plano de Saúde

O melhor canal de informações sobre saúde, bem-estar e planos de saúde do Brasil. Conteúdos com credibilidade e que irão melhorar o seu dia a dia.

Recomendado para você:

Postagens mais vistas:

Faça um orçamento: