fbpx
Ir para o conteúdo
Planos de Saúde

Planos de saúde populares: como funcionariam

Leitura: 5 min
198 visualizações

Eles nem saíram do papel – e nem se sabe se algum dia sairão – e já dividem opiniões: os planos de saúde populares são uma proposta do ministro da Saúde,  Ricardo Barros, para tentar evitar mais gastos com o Sistema Único de Saúde, o SUS, desonerando os cofres públicos. A ideia é que estes planos de saúde ofereçam menos serviços do que os determinados pelo rol de procedimentos mínimos obrigatórios pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), tornando-os ais acessíveis à população. Que tal saber mais sobre eles?

Grupo de trabalho acaba de entrar modelos para análise do governo 

A ideia do ministro é desafogar o SUS, propiciando um acesso maior da população aos planos de saúde, já que os chamados “populares” teriam o valor ainda mais baixo, na mesma proporção dos serviços oferecidos. Mas, ao contrário do que muitos pensam, essa não seria a privatização do SUS – até porque iria contra a Constituição, que determina que a saúde é um direito de todo cidadão que deve ser garantido pelo Estado. Ele também descarta a possibilidade de um imposto exclusivo para custear a saúde.

plano de saúde popular, ou Projeto de Plano de Saúde Acessível, foi criado pela Portaria 1.482/2016 e foi elaborado por um grupo de trabalho composto por 24 entidades e que encerrou os debates na segunda quinzena de dezembro. Agora caberá ao governo Temer analisar os três modelos montados e enviá-las à ANS, reguladora das operadoras dos planos de saúde.

Conheça as principais mudanças do plano de saúde popular 

Um dos modelos de plano de saúde popular é o ambulatorial, com cobertura apenas para consultas e exames; ambulatorial e hospitalar, com cobertura para internações; e um terceiro, que teria recebido pouco apoio, de cobertura apenas hospitalar. Uma das formas encontradas para reduzir custos, independentemente do modelo de plano, é a cobertura apenas regional, ou seja, seriam retirados da cobertura os serviços presentes no rol de procedimentos obrigatórios definido pela ANS mas que não estiverem disponíveis naquela região.

Outra mudança seria o aumento dos prazos de carência: consultas básicas em clínica médica, pediatria, ginecologia e cirurgia geral seriam mantidas em sete dias, mas para outras especialidades o prazo subiria de 14 para 30 dias. Já para as cirurgias programadas a carência passaria de 21 para 45 dias, quando então haveria uma nova consulta para uma segunda opinião médica.

Outra proposta é o aumento da coparticipação, que hoje tem um limite máximo de 30%, passando para 50% a participação do beneficiário em qualquer procedimento. O modelo prevê também que todo primeiro atendimento seja feito por um médico “generalista”, que filtraria o atendimento fazendo a indicação do especialistas necessário – à exceção das consultas com pediatras e ginecologistas, no mesmo molde do atendimento realizado hoje pelo SUS.

Planos atuais não sofrem modificação 

Para os planos de saúde que já estão hoje no mercado, não haveria qualquer alteração, mas o modelo de plano de saúde popular é polêmico e ainda promete dar muito o que falar, principalmente pela divisão das despesas com o usuário e o aumento dos tempos de espera por consultas e cirurgias.

Para várias entidades de Medicina, a segmentação do atendimento ao ser humano fere a prórpia lei dos planos de saúde e o Código de Defesa do Consumidor, colocando ainda os médicos em situação vulnerável ao fazê-lo trabalhar sem poder disponibilizar ao paciente tudo o que a medicina pode oferecer – e que teria como efeito colateral também o aumento de processos da Justiça.

Redução no valor pode chegar a 20% 

A estimativa, no entanto, é que estas medidas consigam uma redução de custos de até 20% nos valores dos planos de saúde, facilitando o acesso a mais pessoas e ajudando a desafogar o SUS – que, por sua vez, voltaria a ficar sobrecarregado com o aumento de processos contra os planos de saúde, já que a chamada judicialização fura a fila no atendimento público. A verdade é que essa novela ainda promete muito pano para manga, então só resta acompanhar de perto os próximos capítulos.

De qualquer forma, não vale a pena esperar pelo fim para resolver a sua tranquilidade. Há muitas opções hoje de planos de saúde, com serviços que podem ser customizados de forma a pesar menos no orçamento mensa e atender a todas as suas necessidades sem perda de qualidade.

Para conhecer todos eles e descobrir qual o mais adequado para você, basta conversar com um vendedor especializado e fazer uma cotação sem qualquer compromisso. Tome o rumo da sua vida nas mãos e conquiste a sua tranquilidade.

Plano
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Plano de Saúde

O melhor canal de informações sobre saúde, bem-estar e planos de saúde do Brasil. Conteúdos com credibilidade e que irão melhorar o seu dia a dia.

Recomendado para você:

Postagens mais vistas:

Faça um orçamento: