fbpx
Ir para o conteúdo
Planos de Saúde

Plano de Saúde Com e Sem Coparticipação, Qual Devo Escolher?

Veja a diferença entre planos de saúde com e sem coparticipação e descubra como fazer a melhor escolha para você e sua família!

Leitura: 7 min
26717 visualizações

Escolher o plano de saúde está cada vez mais fácil. Afinal, já há algum tempo as operadoras têm se especializado em criar opções bastante variadas, de forma a atender os mais diversos perfis. Nesse universo de possibilidades, muitas vezes, o cliente pode ficar em dúvida sobre o algum aspecto. O ideal é conversar com um consultor especializado, que vai responder a qualquer questão e fazer as melhores sugestões. Por exemplo, você sabe o que é coparticipação e se ela é o ideal para você? Ficou curioso? Então vem com a gente saber tudo sobre o assunto!

Coparticipação, o que é?

Um plano de saúde com coparticipação é quando o beneficiário paga uma taxa a cada procedimento realizado, além da mensalidade. O que, à princípio, pode parecer que é um gasto a mais, na verdade é um gasto a menos.

Isso porque, nos planos com coparticipação, a mensalidade costuma ser bem menor do que a fixa. Ela varia de acordo com a operadora, que tem autonomia para definir o tipo.

Ou seja, a coparticipação pode ser um valor fixo ou uma porcentagem do valor previsto para o serviço na tabela da operadora.

coparticipação

Geralmente a coparticipação é paga em consultas, exames e procedimentos ambulatórios, mas pode variar de plano para plano.

Alguns, por exemplo, cobram coparticipação apenas nas consultas. O valor é definido na hora da contratação, e deve estar claro no contrato.

Basicamente, não há nenhuma outra diferença em relação aos planos sem coparticipação. Nestes, é cobrada apenas uma mensalidade fixa e o beneficiário não paga nada a mais por cada serviço que usar.

Fora isso, a cobertura é a mesma, assim como os serviços prestados. Ambas as modalidades são validadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

ANS determina novas regras

Desde o dia 28 de junho de 2918, a ANS estabeleceu o percentual máximo de 40% como coparticipação. A Agência também definiu os limites mensais e anuais pagos pelo consumidor dos planos com coparticipação.

As regras, que entram em vigor em 180 dias a partir da data da resolução, determinam que o limite mensal pago em coparticpação não pode ultrapassar o valor da mensalidade. Já o limite anual, por sua vez, não pode ultrapassar o equivalente ao valor de 12 mensalidades.

As novas regras também proíbem a coparticipação diferenciada por doença ou patologia e ainda isentam mais de 250 procedimentos do seu pagamento.

Veja se a coparticipação é o melhor para você

Mas como saber se a coparticipação ou a mensalidade fixa é a melhor para o seu caso? Bem, a princípio, a diferença é que a mensalidade da coparticipação costuma ser bem menor do que a fixa. Assim, a economia mensal também é bem maior.

Mas nem sempre pagar uma mensalidade menor significa economia. Há outros fatores que devem ser levados em consideração na hora da escolha. Por exemplo, a coparticipação é ideal para quem usa pouco o plano de saúde.

Assim, se você não tem nenhuma doença crônica, necessidade especial e não está toda hora em um consultório, ou seja, tem boa saúde, essa modalidade realmente significará menos peso no seu orçamento.

Afinal, a maior parte do tempo precisará pagar apenas uma mensalidade pequena e, via de regra, um gasto um pouco maior nas épocas de checkup.

Quando a mensalidade fixa é melhor

No entanto, esse pode não ser o seu caso. Se você ou algum dependente tem necessidades especiais, alguma doença crônica ou preexistente, ou está sempre no médico por algum motivo, provavelmente a mensalidade fixa sairá mais em conta.

Nessa modalidade você paga um valor que mudará apenas no reajuste anual ou na mudança de faixa etária e tem direito a quantas consultas, exames e procedimentos forem necessários sem pagar nada a mais por isso.

A mensalidade fixa costuma ser a mais indicada também para quem tem crianças ou idosos. Por conta da idade, ambos costumam utilizar mais serviços médicos do que as demais faixas etárias.

Formas de contratação de um plano de saúde

As regras de utilização também mudam se você escolher um plano individual/ familiar ou um coletivo:

Plano Individual ou familiar

Nos planos de saúde familiar ou individual, você pagará um valor mensal mesmo que não utilize os serviços todo mês. Então, se você tem alguma doença crônica e precisa de médicos com frequência, esta modalidade, as vezes, pode ser a ideal. Porém, os planos individuais passam sempre por descredenciamento de médicos e hospitais.

Coletivo

Quando você contrata esse serviço por conta própria, você paga mensalidades menores, mas consultas, atendimentos e exames são cobrados. Ou seja, se você vai ao médico poucas vezes por ano, essa pode ser a melhor escolha. Caso escolha o plano de saúde coletivo, pergunte sobre valores dos serviços antes de assinar qualquer papel. Os reajustes anuais podem ser maiores do que no plano individual, pois não é determinada pela ANS.

coparticipação

Mais de 50% dos planos hoje são com coparticipação

Os planos com coparticipação têm caído cada vez mais no gosto popular. Hoje, de acordo com a ANS, mais de 26 milhões de beneficiários estão vinculados a este tipo de plano ou de franquia. A coparticipação hoje responde por 52% do mercado dos planos de saúde.

Com essas informações, fica mais fácil você decidir qual a modalidade de plano de saúde que mais tem a ver com a sua personalidade.

(Fontes: Bidu, Agência Brasil)

Se precisar de ajuda, não hesite: converse com um consultor especializado, sem compromisso. Aproveite e faça uma simulação online e veja o que é melhor para você!

Entenda qual é o melhor plano de saúde para você (e para o seu bolso!)
Entenda qual é o melhor plano de saúde para você (e para o seu bolso!)
Denise
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Denise Huguet

Jornalista formada pela PUC-RJ com certificação pela Rockcontent em produção de conteúdo. Já fui repórter, redatora, editora, assessora de imprensa e apresentadora de telejornal com passagens por jornais como O Globo, O Fluminense, A Tribuna e várias instituições de pesquisa e ensino. Desde 2010 me dedico integralmente à produção de conteúdo. Portfólio: https://denisehuguet.wixsite.com/dhcomunicacao

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: