Ir para o conteúdo
Planos de Saúde

Plano de Saúde cobre Simpatectomia?

Leitura: 5 min
5954 visualizações

A simpatectomia é um tipo de cirurgia, feita na região torácica (ou do peito), e que faz parte do rol de eventos obrigatórios determinados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Nosso organismo é um universo complexo e cheio de surpresas, nem todas elas são agradáveis. Por esse motivo, compreendemos que a importância de contar com um plano de saúde que cubra os mais diversos procedimentos, é como a garantia de ter um atendimento de qualidade sempre que  for necessário.

Sendo assim, conheça mais sobre este procedimento cirúrgico e os detalhes de sua cobertura lendo abaixo.

Vamos lá!

O que é a simpatectomia?

A simpatectomia é um procedimento cirúrgico com relação com o sistema nervoso simpático, responsável por ter o controle involuntário dos músculos lisos e das vísceras. De uma forma geral, é  responsabilidade do sistema simpático estimular as ações que mobilizam energia. O sistema parassimpático é o responsável pelo estímulo às atividades relaxantes.

Importante citar que, ambos (sistema simpático e parassimpático) fazem parte do sistema nervoso autônomo. No entanto, quando há ocorrência de hiperidrose pode ser necessária a remoção de partes específicas do nervo simpático principal para tratar esta complicação.

A hiperidrose é um distúrbio que causa sudorese excessiva nas mãos, axilas e/ou plantas dos pés.

simpatectomia

A simpatectomia também pode ser utilizada como tratamento para outras complicações, como:

— Síndrome de Raynaud;

— Rubor facial;

— Determinadas dores crônicas.

Além disso, fato interessante a destacar é que este procedimento também pode ser feito através de uma videotoracoscopia.

Esse tipo de cirurgia faz parte do rol de eventos mínimos que qualquer plano de saúde é obrigado a cobrir. Segundo a ANS, é um procedimento menos invasivo que o convencional a “céu aberto”, ou seja, que necessita a abertura da caixa torácica.

Como é feita a simpatectomia?

Ainda que seja um procedimento cirúrgico de médio porte, a simpatectomia é considerada relativamente simples. Realizada sob anestesia geral, nela são removidos os gânglios que controlam o suor em excesso. O local da intervenção depende do efeito desejado. Quando é nas mãos e/ou axilas, a simpatectomia é realizada no tórax. Já no caso dos pés, os gânglios ficam localizados na região lombar.

O procedimento tem efeito imediato. Logo ao acordar da cirurgia, o paciente já pode sentir a diferença. Não havendo complicações de saúde em cerca de 24 horas, o paciente já pode voltar para casa.

simpatectomia

Indicações e riscos

A remoção de parte da cadeia simpática é considerada uma terapia radical para tratar a hiperidrose. Ou seja, ela deve ser utilizada apenas quando os demais tratamentos não surgiram o efeito esperado.

No entanto, a simpatectomia também pode ser utilizada em outros casos, como em fenômenos vasculares isquêmicos dos membros superiores ou inferiores, ou ainda também na síndrome dolorosa regional complexa. A eficácia do procedimento é de cerca de 95% dos casos.

Riscos

Como qualquer outra cirurgia, a simpatectomia também oferece riscos. Os riscos são maiores quanto mais agressiva for a intervenção na cadeia ganglionar, ou seja, quanto mais gânglios forem removidos durante a cirurgia.

Quando o procedimento é ser realizado através da videotoracoscopia há menos riscos de complicações, e os planos de saúde devem — obrigatoriamente — cobrir às duas formas do procedimento.

Mesmo sendo considerada uma cirurgia segura, podem ocorrer efeitos específicos. Um deles é o aumento da sudorese em outras partes do corpo, conhecida como hiperidrose reflexa compensatória. Nesse caso, as áreas mais afetadas costumam ser as nádegas, coxas e dorso, um reflexo natural do organismo devido à função termorregulatória do suor.

Em casos mais raros, pode haver os seguintes efeitos colaterais:

— Queda da pálpebra;

— Colabamento pulmonar;

— Perfuração do pulmão;

— Hemotórax residual;

— Pneumotórax.

simpatectomia

Como o plano de saúde ajuda a tratar a hiperidrose?

A vantagem de realizar a simpatectomia pelo plano de saúde é a possibilidade de escolher dentre vários especialistas disponíveis. Além disso, não é preciso entrar em lista de espera e a solução do problema acaba sendo muito mais rápida, e geralmente bem efetiva.

É sempre bom lembrar, porém, que a simpatectomia deve ser utilizada como último recurso contra a hiperidrose, quando os demais tratamentos já não tiverem tido o resultado esperado!

Confira sempre a lista de especialistas do seu plano de saúde e os prazos de carência. Em caso de dúvida, consulte seu vendedor especializado que ele poderá indicar a melhor forma de resolver qualquer problema.

(Fontes: ANS, ABCMed)

Denise
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Denise Huguet

Jornalista formada pela PUC-RJ com certificação pela Rockcontent em produção de conteúdo. Já fui repórter, redatora, editora, assessora de imprensa e apresentadora de telejornal com passagens por jornais como O Globo, O Fluminense, A Tribuna e várias instituições de pesquisa e ensino. Desde 2010 me dedico integralmente à produção de conteúdo. Portfólio: https://denisehuguet.wixsite.com/dhcomunicacao

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: