fbpx
Ir para o conteúdo
Planos de Saúde Saúde

Os tratamentos fisioterapêuticos com o plano de saúde

Leitura: 7 min
6538 visualizações

Hoje, os tratamentos fisioterapêuticos abrangem uma quantidade imensa de males, afinal, a fisioterapia é a ciência que estuda e trata das disfunções do corpo – e elas podem ocorrer em praticamente qualquer parte do organismo.

Por isso, é grande a procura por eles nos planos de saúde, já que muitos podem se estender por anos, fazendo com o serviço particular seja bastante dispendioso, comprometendo o orçamento mensal.

Por lei, todos os contratos firmados após 1 de janeiro de 1999 têm cobertura obrigatória dos tratamentos fisioterapêuticos, porém os assinados antes desta data geralmente têm a cobertura negada.

Veja o que fazer nesses casos e quais os seus direitos a respeito dos tratamentos fisioterapêuticos.

Planos de saúde cobrem ou não os tratamentos fisioterapêuticos?

Essa é uma questão que ainda gera alguma polêmica, porque a inclusão da obrigatoriedade da cobertura dos tratamentos fisioterapêuticos pelos planos de saúde garantida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) refere-se apenas aos contratos firmados após 1 de janeiro de 1999.

Por isso, geralmente quem tem o contrato assinado anterior a essa data costuma ter a cobertura negada pelas operadoras.

No entanto, a Justiça costuma conceder o direito ao beneficiário do plano de saúde por entender que a negativa fere o Código de Defesa do Consumidor (CDC) em seu parágrafo 1 dos incisos I a III.

De acordo com eles, é dever da empresa de assistência médica garantir a cobertura do tratamento, sem limitação da quantidade de sessões, devendo ser respeitada a quantidade prescrita pelo médico, como de acordo com o CDC.

Se o plano for antigo, mas tiver sido adaptado à Lei 9.656/1988, ele tem os mesmos direitos dos planos novos.

Sessões de fisioterapia e consultas ao fisioterapeutas são coisas diferentes

Muita gente ainda faz confusão em relação à consulta ao fisioterapeuta e às sessões de fisioterapia – que na realidade são coisas diferentes.

De acordo com o ROL de procedimentos de cobertura obrigatória, o usuário do plano de saúde tem direito a até duas consultas por ano com o fisioterapeuta para cada nova doença diagnosticada.

Já as sessões, nas quais é feito os tratamentos fisioterapêuticos, devem ser ilimitadas, respeitando a quantidade estipulada pelo médico que as indicou.

Na prática isso significa que o plano de saúde cobrirá o seus tratamentos fisioterapêuticos enquanto seu médico entender que você precisa dele – mas é seu médico, o fisioterapeuta, que decidirá a respeito da necessidade e da quantidade de sessões.

Em outras palavras, não basta você querer fazer, é necessária que haja a indicação do especialista.

No entanto, você não precisa passar por um clínico geral para depois ser indicado para o fisioterapeuta – isso é gastar consulta à toa. A fisioterapia é uma profissão independente, que não precisa do aval de nenhum outro profissional para atuar.

O próprio fisioterapeuta é devidamente habilitado a identificar, diagnosticar e tratar as mais diversas disfunções que precisam de tratamento fisioterapêutico, como nos ossos, articulações, sistema cardiorrespiratório, músculos e nervos, entre outras, seja em crianças, idosos, adultos, ou qualquer pessoa com alguma deficiência física e/ou mental.

Conheça os tipos mais comuns de tratamentos fisioterapêuticos no Brasil

Os tratamentos fisioterapêuticos é um dos mais procurados pelos usuários de planos de saúde, mas ele varia conforme o objetivo, podendo ser analgésico, anti-inflamatório, de diagnóstico, para tratar hipertrofia muscular, etc.

Dependendo do estágio em que se encontrar a lesão, os tratamentos podem ser classificados, basicamente, em nove tipos. São eles:

Cinesioterapia – Exercícios de alongamento e fortalecimento, mobilizações, etc., visando a movimentação. Essa é a terapia mais utilizada, sozinha ou associada a outras formas de tratamento (eletroterapia, crioterapia, mecanoterapia, etc.).

Crioterapia – Feita com o uso de frio em compressas, imersão ou varredura, dentre outras, para obtenção de analgesia, redução da inflamação e edema, estimulação neuromuscular, etc.

Eletroterapia –  Feita por meio de equipamentos que fazem uso da corrente elétrica em vários parâmetros físicos (intensidade, frequência, etc.) para analgesia, excitação neuromuscular, regeneração de tecidos vasculares, iontoforese – introdução de medicamentos e diagnósticos de condições neuromusculares e órgãos internos.

Fototerapia – Realizada através da luz (parâmetros físicos variáveis) para promoção de analgesia, reparo tecidual, redução da inflamação, dentre outros.

Hidroterapia – Exercícios realizados na água fria ou morna, com imersão parcial ou total do corpo, visando relaxamento muscular, mobilidade articular, etc.

Massoterapia – Massagens como a clássica e reflexa, drenagem linfática, etc. Os  objetivos variam conforme a técnica utilizada: relaxamento muscular, drenagem de membros, estimulação de vísceras, etc.

Mecanoterapia – Feita através de equipamentos  com finalidade analgésica, anti-inflamatória, sonoforese (introdução de medicamentos pelo ultra-som), etc.

Respiratória – Inclui variadas formas de tratamento para reabilitação e promoção de saúde do sistema respiratório, como vibração manual, tosse assistida, pressão expiratória, drenagem postural, uso de incentivadores respiratórios, etc.

Terapia manual – Geralmente confundida com a massoterapia, ela distingue-se pela finalidade de restabelecer os movimentos e funções fisiológicas através de manipulações articulares e tecidos moles, alongamentos de fáscias e músculos, etc.

Termoterapia – Feita através do calor seco ou úmido com parâmetros físicos variáveis conforme o objetivo. São as terapias por meio de ondas curtas e bolsas de água quente, dentre outros, e visam a analgesia, relaxamento muscular, etc.

Vale lembrar que a definição do tipo de tratamento fisioterapêutico que deve ser utilizado só pode ser feita pelo especialista após uma avaliação profunda do paciente.

Se houver qualquer dúvida ou negativa por parte do plano de saúde em cobrir o tratamento, fale com seu vendedor e veja as medidas que devem ser tomadas para garantir seus direitos.

Se você ainda não tem um plano de saúde, converse com nossos vendedores especializados e descubra qual plano de saúde melhor se ajusta às suas necessidades e ao seu orçamento.

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: