O que o consumo de bebida alcóolica faz com a saúde

O que o consumo de bebida alcóolica faz com a saúde

384
0
SHARE

Que o brasileiro mal consegue atravessar o verão sem um chope bem gelado não é segredo para ninguém – nem que um bom vinho tinto é capaz de aquecer a mais fria das noites de inverno. No entanto, o que pouca gente sabe é que a bebida alcoólica está relacionada a mais de 60 doenças e é capaz de afetar todos os órgãos do corpo. Claro que seus efeitos estão relacionados o volume consumido, ao peso corporal do usuário à frequência, aos efeitos bioquímicos de cada organismo e ainda à propensão à dependência química, mas a verdade é que quanto mais se souber sobre o assunto, mais fácil é a prevenção contra seus estragos. Neste cenário, um bom plano de saúde pode fazer uma grande diferença, tanto para a detecção e tratamento de doenças relacionadas quanto para a própria redução do consumo. Saiba mais sobre o assunto e veja porque a bebida alcóolica pode ser tão perigosa.

Excesso de álcool é a terceira maior causa de óbitos no mundo

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ingestão de álcool em excesso é uma epidemia global, considerada a terceira maior causa de óbitos em todo o planeta, ficando atrás apenas do câncer e das doenças cardíacas. No total, estima-se que o álcool mate cerca de 3,3 milhões de pessoas no mundo.

Reconhecida como doença pela OMS há 50 anos, hoje identificar o padrão de ingestão de bebida alcóolica é fundamental para evitar estragos à saúde e à sociedade, uma vez que grande parte das mortes violentas estão relacionadas ao consumo de álcool. A quantidade e a frequência do uso tem influência direta nos resultados à saúde e nos problemas sociais, que podem variar de violência doméstica a acidentes de carro, com consequências graves ou fatais.  

Plano de saúde ajuda no diagnóstico precoce de doenças relacionadas à bebida alcoólica

Para quem tem plano de saúde é mais fácil identificar precocemente as doenças mais comumente relacionadas à bebida alcoólica e, ao mesmo tempo, ter uma abordagem psicoterapêutica que ajude a livrar-se de uma possível dependência química ou psicológica. O álcool traz um conjunto de variáveis que agem de forma sistêmica e está associado a diversas doenças, entre elas cirrose hepática e pancreatite crônica. No entanto, ainda pode influenciar um outro conjunto de doenças de origem multifatorial, como o câncer de mama.  

Para se ter uma ideia, nos países desenvolvidos acredita-se que 9,2% de todas as doenças sejam atribuídas a causas relacionadas às bebidas alcoólicas – no Brasil este índice é calculado em 6,2%. De acordo com estudos da OMS, quanto maior o grau de desenvolvimento do país maior o grau de responsabilidade do álcool sobre a incidência de doenças.

Nos países em desenvolvimento com elevados padrões de mortalidade por conta da desnutrição, falta de higiene, pouco acesso à água potável e sexo inseguro esse índice chega a cair para 1,6%. É o caso de países como a África e de algumas regiões do sudeste asiático, por exemplo.

Para alguns, do social para o vício o caminho é curto

Hoje sabe-se que, para muitos, do “socialmente” para o vício o caminho é muito curto – e como a bebida é aceita como forma de comemoração, relaxamento e interação social, o problema se agrava de forma crescente, ainda que nem sempre de forma silenciosa. Tecnicamente, a bebida alcoólica é capaz de alterar o funcionamento do organismo como um todo, inclusive do cérebro – modificando comportamentos sociais, podendo gerar agressividade e influenciando negativamente na vida do usuário.  

Psicologicamente, quem bebe tem grande tendência a se adaptar à bebida e incorporar rotinas de forma a administrar o uso crescente da bebida alcoólica e também as sucessivas ressacas. Nesse contexto, a maioria não identifica o álcool como um transtorno, banalizando a situação e passa a criar situações que atendam ao uso abusivo da substância.

Consumo nocivo de álcool aumenta no Brasil

Fisicamente, o álcool pode estar relacionado a 66 doenças – como causa ou agravo. Segundo relatório da OMS publicado em 2014, no ano de 2012 a bebida alcoólica provocou em média uma morte a cada minuto e meio nas Américas Latina, Central e do Norte. Entre 20016 e 2012 o Brasil registrou um aumento de 31% no consumo nocivo de álcool e 20% a mais de pessoas que passaram a consumir bebida alcoólica uma vez por semana. Creca de 17% das pessoas que bebem álcool têm propensão ao abuso ou dependência.

Os planos de saúde oferecem especialistas em diversas áreas que podem colaborar para a prevenção e o tratamento da dependência e de doenças correlacionadas ao abuso da substância. É possível fazer um tratamento multidisciplinar e, através dos exames de rotina, monitorar e diagnosticar precocemente qualquer doença relacionada ou o agravamento de males anteriores, mas que são influenciados pela bebida alcoólica.  

Quer saber mais como funcionam os planos de saúde para tratamento de doenças relacionadas ao consumo de álcool? Converse com um dos nossos vendedores e descubra todas as possibilidades terapêuticas que podem atenuar ou curar o problema.

Comments

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY