fbpx
Ir para o conteúdo
Planos de Saúde

Motivos para simular os preços dos planos de saúde de São Paulo

Leitura: 7 min
1414 visualizações

São Paulos é uma das cidades onde há maior oferta de planos de saúde no Brasil, por isso, existem diversos tipos de serviços para os mais variados perfis.

Todos os dias nos deparamos com as mais variadas notícias, sendo muitas delas, infelizmente, capaz de chatear nosso dia logo de manhã.

Na economia, as taxas de juros aumentam, na saúde o SUS está cada vez mais falido. Acabamos ficando com a impressão de que o país, se anda, é em retrocesso, com as coisas cada vez mais caras e os salários cada vez mais achatados.

Com isso, a primeira coisa que vem à mente é que quem lucra são as iniciativas privadas, especialmente as de assistência médica, já que a população não pode contar com um serviço público de qualidade.

Mas será que é realmente assim? Será que os preços dos planos de saúde são mesmo altos? Qual é o real custo-benefício de se fazer um plano de saúde, em São Paulo, hoje? Na cidade que é basicamente o grande centro econômico do país, a maior parte das ações públicas de saúde ainda se mostram paliativas, e por isso, ter um plano de saúde hoje é indispensável para quem preza por qualidade de vida.

Sabendo disso, nós decidimos listar 4 motivos para você simular os preços dos planos de saúde em São Paulo para te mostrar que a realidade pode ser bem diferente — e melhor — do que você imagina!

1 – Conhecer todas as possibilidades oferecidas pelos planos de saúde

Os planos de saúde estão cada vez mais personalizados. Hoje eles são montados levando em consideração as necessidades específicas de cada região.

Em São Paulo, por exemplo, há uma dezena de operadoras, com planos de saúde em todo o estado. O interessante é que, além das características regionais, os planos também trazem importantes diferenças entre eles, de forma a abranger os mais diversos nichos e perfis de pessoas.

2 – Comparar o custo final com o preço dos serviços particulares

Por mais saudável que alguém seja em algum momento da vida — em vários, na verdade — haverá necessidade de ir ao médico. Além disso, por mais saudável que se esteja, nem sempre é possível saber quando algum mal, grave ou não, poderá aparecer.

Hoje as consultas particulares custam praticamente o valor de uma mensalidade do plano de saúde, sendo que ele dá direito não a uma, mas a consultas ilimitadas com diversos especialistas. Por outro lado, apenas com o valor da mensalidade, você tem direito aos mais variados tratamentos, alguns deles absurdamente caros, dependendo da complexidade e da tecnologia envolvida.

Para entender isso, basta colocar na ponta do papel a simulação do plano e o valor de um tratamento oncológico, por exemplo. Nem dá para comparar, a diferença é imensa. Além disso, se você vai muito a médico, o ideal é a mensalidade fixa, que você paga e tem direito a toda cobertura sem pagar mais nada.

Mas se você quase não usa, o mais econômico é a co-participação, onde você paga um valor fixo mensal bem pequeno e uma taxa a cada procedimento — consulta, exames, internação etc. Fazendo a simulação você pode notar como o plano de saúde é muito, mas muito mais barato do que você imagina!

3 – Descobrir que nem sempre os planos de saúde mais caros — ou o mais baratos — nem sempre são os melhores para você

Se você acha que se o plano é barato é porque ele não tem a qualidade que você quer, e o mais caro, que seria perfeito para você, é fora do seu orçamento, a simulação pode fazer você perceber que não é bem assim.

Ao contrário do que muita gente pensa, nem sempre o mais caro ou o mais barato é o melhor plano para o seu caso. Isso porque para escolher seu plano de saúde, os principais fatores que devem ser levados em consideração são as suas necessidades reais. Por exemplo, para que pagar mais caro por uma cobertura internacional se você não costuma sair do país?

Há várias formas de customizar seu plano, escolhendo entre:

– Quarto ou enfermaria;

– Cobertura regional, nacional ou internacional;

– Cobertura dental ou odontológica;

– Acesso a programas preventivos;

– Mensalidade fixa ou co-participação;

– Fazendo a contratação por CNPJ se você também é pessoa jurídica e etc.

Assim você vai combinando o que precisa com o que pode pagar.

Monte seu plano de acordo com suas necessidades reais e faça as simulações de cada um para descobrir qual é o plano perfeito para você.

4 – Perceber que ter qualidade de vida não custa caro

Depois disso tudo você vai perceber que a simulação o ajudou não apenas a encontrar o melhor plano de saúde para você e sua família ou sua empresa, como a descobrir que ter qualidade de vida não é tão difícil assim — e é muito mais barato do que você imaginou.

Há duas formas de fazer uma simulação, ambas muito fáceis. Basta escolher sua cidade e a operadora desejada e conhecer todos os planos de saúde que ela tem na sua região.

Depois clique em “solicitar um orçamento” e preencha um formulário básico com seus dados, que são totalmente protegidos, e você receberá todas as informações que precisa. Ou simplesmente faça uma simulação clicando aqui.

Lembre-se: a qualidade de vida é o bem mais precioso que você pode ter, por isso cuidar da sua saúde com os melhores profissionais da medicina é fundamental!

Denise
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Denise Huguet

Jornalista formada pela PUC-RJ com certificação pela Rockcontent em produção de conteúdo. Já fui repórter, redatora, editora, assessora de imprensa e apresentadora de telejornal com passagens por jornais como O Globo, O Fluminense, A Tribuna e várias instituições de pesquisa e ensino. Desde 2010 me dedico integralmente à produção de conteúdo. Portfólio: https://denisehuguet.wixsite.com/dhcomunicacao

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: