fbpx
Ir para o conteúdo
Cirurgia Cobertura dos Planos de Saúde Planos de Saúde

Lista de Cirurgias que o Plano de Saúde Cobre

Na dúvida sobre a cobertura de cirurgia pelo plano de saúde? Veja agora quais são as regras da ANS para esses casos!

Leitura: 6 min
1415 visualizações

Não tem jeito: quem quer ter uma assistência médica de qualidade com direito à cirurgias tem que ter um plano de saúde. Afinal, entra ano, sai ano, o SUS parece conseguir o impossível – piorar cada vez mais.

No entanto, se isso faz com que a responsabilidade das operadoras aumente em relação aos serviço prestados, o consumidor também deve ficar atento. As cirurgias que podem ser realizada, por exemplo, costumam ser alvo de várias dúvidas.

Isso acontece porque existe uma relação de eventos e procedimentos mínimos que devem ser cobertos por todos os planos. A lista é atualizada a cada dois anos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), recebendo alterações conforme a necessidade da sociedade.

Nesse cenário, as cirurgias merecem um capítulo à parte. É preciso ficar atento a alguns detalhes, como o tempo de carência e a razão pela qual deve ser realizada, por exemplo. Veja agora quais as cirurgias que são garantidas pela ANS e tire suas dúvidas!

Atenção às carências para cirurgia

O primeiro ponto que deve ser levado em conta é o período de carência.

Cada procedimento tem um tempo mínimo pré-estipulado para que possa ser realizado, após a assinatura do contrato. No caso das cirurgias, de um modo geral, é preciso aguardar 180 dias para uma cirurgia eletiva.

No entanto, se a cirurgia em questão for um parto de não prematuro, esse prazo aumenta para 300 dias. Lembrando que vale, apenas, para planos com obstetrícia – caso contrário não há cobertura sequer para o parto normal.

cirurgias

Emergências e urgências: cirurgias em 24 horas ou menos

Por outro lado, esse prazo cai bastante e a cirurgia for de urgência ou emergência. Nesse caso, a carência é de apenas 24 horas – ou ainda menos, caso haja risco de morte.

É bom lembrar, entretanto, que esses são prazos máximos. A operadoras têm total liberdade para reduzi-lo ou até eliminar a carência de acordo com a sua estratégia.

Hoje, por exemplo, praticamente todos os planos oferecem carência zero para atendimentos e cirurgias de emergência. Esse tipo de cirurgia é garantida por lei dede o dia 2 de janeiro de 1999.

O que acontece se a cirurgia for para lesão já existente?

Ao fazer a contratação do plano de saúde, todos os beneficiários devem passar por avaliação médica ou preencher um formulário sobre sua saúde.

Em ambos os casos o contratante deve informar e possui ou não alguma lesão, trauma ou doença pré-existente – anterior à avaliação médica ou à sua informações.

Todas as informações devem ser verdadeiras. Em outras palavras, o plano de saúde vai cobrir cirurgias relacionadas a lesões pré-existentes, mas em um prazo maior.

Assim, quando o problema já é antigo, a cirurgia relacionada a ele tem carência (máxima) de 24 meses.

Se houver necessidade de cirurgia eletiva relacionada a lesão, doença ou trauma não existente no ato da contratação do plano, a carência é de 180 dias.

Cirurgia que o plano de saúde não cobre

Com ou sem emergência, com ou sem lesão ou doença pré-existente, há cirurgias que os planos simplesmente não cobrem.

Basicamente são apenas dois casos. O primeiro dele é o de cirurgia meramente estética, como uma lipoaspiração, por exemplo. No entanto, ele deve cobrir os exames que antecedem a cirurgia.

Ainda assim há exceções, por isso fique atento. Quando a cirurgia estética é decorrente de alguma doença coberta pelo plano, ela também deve ser coberta.

É o caso de cirurgias de reconstrução do seio para pacientes de mastectomia ou de retirada de pele para quem fez bariátrica pelo plano, por exemplo.

Isso ignifica que, desde que o problema estético esteja relacionado a um problema de saúde ou que haja comprovação que ele afeta a saúde psíquica do paciente a cobertura da cirurgia é obrigatória.

cirurgias

O segundo caso em que a cirurgia não é coberta é em relação aos procedimentos experimentais, tratamentos e intervenções, invasivas ou não, sem comprovação científica.

Já a cobertura de cirurgia de transplante, a ANS determina a cobertura da cirurgia de transplante de rim, córnea e de medula alogênico (feito com doador de medula óssea) e autólogo (realizado com a medula do próprio paciente, sem doador).

Mas, como essa cobertura é a mínima, há várias operadoras que já oferecem uma lista maior de transplante cobertos. Por isso, conversar com um especialista é essencial para que ele indique o melhor plano para o seu caso.

E então, ainda ficou alguma dúvida? Não esqueça, o plano de saúde escolhido deve atender às sua necessidades. Converse com um vendedor e descubra qual deles é o melhor para a sua saúde e a do seu bolso! Clique aqui e peça uma cotação.

Denise
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Denise Huguet

Jornalista formada pela PUC-RJ com certificação pela Rockcontent em produção de conteúdo. Já fui repórter, redatora, editora, assessora de imprensa e apresentadora de telejornal com passagens por jornais como O Globo, O Fluminense, A Tribuna e várias instituições de pesquisa e ensino. Desde 2010 me dedico integralmente à produção de conteúdo. Portfólio: https://denisehuguet.wixsite.com/dhcomunicacao

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: