fbpx
Ir para o conteúdo
Melhores Planos de Saúde pediatria Plano de Saúde para Crianças

Descubra como escolher o melhor plano de saúde infantil!

Confira as dicas para escolher o melhor plano infantil.

Leitura: 9 min
1862 visualizações

Cuidar da saúde dos filhos é uma das maiores preocupações dos pais, não é verdade? Esse desejo de cuidar é ainda maior quando os filhos ainda são recém-nascidos ou crianças, já que são mais frágeis e estão mais suscetíveis a machucados e determinados tipos de doenças.

Para que o acompanhamento da saúde dos pequenos seja eficiente, rápido e caiba dentro do orçamento familiar, é preciso pesquisar. Neste artigo você poderá tirar algumas das principais dúvidas acerca do plano de saúde infantil.

Continue a leitura para saber os motivos pelos quais fechar contrato para os filhos com uma operadora é uma boa ideia, o que avaliar antes de fechar o contrato e veja ainda a partir de qual idade vale a pena adquirir um plano de saúde infantil!

 

Por que contratar um plano de saúde infantil?

A contratação de um plano de saúde infantil pode trazer tranquilidade e diversas vantagens para a família que for usufruí-lo. O primeiro benefício é a garantia de atendimento em caso de emergência. Por mais simples que seja o plano contratado, em situações extremas, o direito da criança de receber atendimento estará garantido.

Além disso, em planos mais completos, qualquer atendimento de rotina, exames e procedimentos poderão ser cobertos pela operadora.

É preciso conhecer o orçamento da casa antes de fechar o contrato, mas a mensalidade de um plano é um gasto previsto que pode compensar. Despesas médicas inesperadas podem ser muito caras, fazendo com que as contas da família entrem em desequilíbrio.

 

O que avaliar antes de fechar um contrato?

A ideia de ter todas as vantagens citadas anteriormente pode deixar muitos pais e responsáveis animados. No entanto, é preciso ser racional na hora de pesquisar, avaliar e fechar o contrato.

Existem muitos produtos disponíveis no mercado, e por isso é preciso ser minucioso e cuidadoso ao estabelecer quais são as reais necessidades da família e da criança. Para encontrar o melhor plano, uma boa dica é procurar um corretor. O profissional conhece os produtos disponíveis, e saberá indicar o mais compatível com a sua necessidade.

A seguir, confira alguns pontos que devem ser observados e pesquisados antes de fechar um contato.

 

Como escolher o melhor?

Antes de mais nada, é necessário ficar atento com as redes credenciadas que o seu plano de saúde infantil oferece – pois é comum termos um médico de confiança que acompanhe seu filho desde os primeiros passos até a adolescência. Por conta disso, tenha atenção redobrada referente aos hospitais, consultórios e clínicas oferecidas e onde estão seus profissionais de confiança.

Por conta das grandes quantidades de vacinas durante o período da infância e adolescência, os custos com isso podem ser muito elevados. Vale ressaltar que grande parte dos planos não oferece um programa de vacinação; veja se o plano que você pretende contratar oferece.

Se preocupe também em buscar um plano sem coparticipação (onde você paga uma porcentagem de todas as consultas e/ou exames feitos) – já que, por serem crianças, existe uma maior demanda de consultas e exames. Sendo assim, a coparticipação pode fazer você gastar muito mais.

O tipo de plano que pode ser o melhor é o ambulatorial – que oferece consultas, exames especializados. Entretanto, se você gosta de estar prevenido, uma das opções é o hospitalar, que é muito mais completo e oferece benefícios adicionais.

 

Custo x benefício

É preciso ter em mente que nem sempre o plano mais caro é o melhor para a criança. Conheça as necessidades para entender qual tipo de plano é o mais indicado. Além disso, é preciso analisar se há a possibilidade de inclusão da criança no plano de saúde dos pais. Caso seja possível, o valor pode ser mais vantajoso.

É importante que a família compreenda com qual valor poder arcar, já que contratar um serviço muito caro sem ter a possibilidade de efetuar o pagamento pode acabar culminando no cancelamento do plano, fazendo com que a criança não tenha direito ao atendimento.

 

Abrangência

Se a criança precisa viajar constantemente com os pais ou responsáveis, é preciso ficar de olho na abrangência do plano. Alguns produtos oferecem cobertura completa em todo o estado, e até mesmo em todo território nacional. No entanto, há outros planos que oferecem apenas atendimentos de urgência e emergência fora do município onde o contrato foi fechado. É preciso estar atento para que o pequeno não fique desassistido em uma viagem!

 

Cobertura

Existem os planos com cobertura total e com os de coparticipação. Nos planos com cobertura total estarão inclusos na mensalidade do plano:

  • exames;
  • consultas;
  • internações;
  • procedimentos variados;
  • cirurgias;
  • atendimentos de urgência e emergência.

Sendo assim, não é necessário gastar nada a mais, independentemente do tipo de procedimento feito.

Já nos planos de coparticipação, paga-se um valor reduzido da mensalidade e a cada procedimento realizado, como os citados acima, há uma quantia tabelada adicionada à fatura.

Com relação à cobertura, os planos ainda podem ser:

  • Ambulatoriais – abrangem apenas atendimentos de urgência e emergência, consultas e exames;
  • Hospitalar – compreende qualquer atendimento ou procedimento realizado durante uma internação.

 

Carência

Os planos de saúde apresentam o fator carência, que significa uma espera de um tempo pré-determinado para começar a se utilizar os benefícios. Portanto, é preciso analisar as necessidades da criança, para saber se é possível esperar o período.

Quando a mãe tem plano de saúde, o bebê é protegido durante os 30 primeiros dias de vida sem carência. Se um plano infantil for contratado ou se o recém-nascido for incluído como dependente, ele fica isento de carência.

 

Reputação da operadora

Pesquise sobre as operadoras disponíveis na sua cidade, verifique se elas realmente têm estrutura para arcar com o que é oferecido e busque analisar os hospitais, clínicas e médicos credenciados.

Também é uma boa ideia conversar com pessoas que fecharam contrato para saber se todos os processos são respeitados e cumpridos. Por fim, você ainda pode verificar se a empresa está registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), órgão que regulariza as atividades do setor.

 

Reajustes

O plano infantil é assim reconhecido até os 18 anos do segurado. Após essa idade, é previsto um reajuste. Existem outras nove faixas de aumento no valor do plano, e são elas:

  • de 19 a 23 anos;
  • de 24 a 28 anos;
  • de 29 a 33 anos;
  • de 34 a 38 anos;
  • de 39 a 43 anos;
  • de 44 a 48 anos;
  • de 49 a 53 anos;
  • de 54 a 58 anos;
  • 59 anos ou mais.

Para evitar reajustes abusivos, o preço da fatura da penúltima faixa não pode ser seis vezes maior do que o da primeira.

É desejo de todos os pais e responsáveis que seus filhos tenham uma boa estrutura e bom atendimento de saúde à disposição. Infelizmente, é sabido que o sistema de saúde pública do país é falho, e pode apresentar demora para diversos procedimentos e consultas.

Por esse motivo, contratar um plano de saúde infantil pode ser uma garantia de tranquilidade para a família, além de ser uma forma de assegurar que seu filho desfrutará de uma boa estrutura e será atendido por médicos capacitados.

Gostou deste artigo sobre plano de saúde infantil? Entre em contato conosco para tirar mais dúvidas sobre diversos tipos de planos e fazer uma cotação!

Entenda qual é o melhor plano de saúde para você (e para o seu bolso!)Powered by Rock Convert

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: