fbpx
Ir para o conteúdo
Planos de Saúde

Contratar um plano de saúde: como economizar?

Leitura: 9 min
2976 visualizações

Todo sabemos que contratar um plano de saúde é investir na nossa qualidade de vida! Os preços das consultas e exames particulares são exorbitantes e, por outro lado, infelizmente não dá para confiar na saúde pública.

A grande quantidade de operadoras e de planos torna o mercado mais competitivo – e quem sai ganhando com isso, é o consumidor! Apesar do mercado ser competitivo, você sabia que é possível economizar ainda mais na hora da contratação de um plano de saúde?!

Confira abaixo o que você deve observar antes de assinar qualquer contrato e descubra como economizar ainda mais!

O que interfere no valor de um plano de saúde?

Antes de realizar a contratação de um plano de saúde, confira os fatores que interferem no valor de um plano de saúde.

Planos individuais

O ajuste conforme mudança de faixa etária é igual para qualquer tipo de plano, ou seja, sempre que você mudar de uma faixa etária para outra, o valor do seu plano vai subir.

Já o ajuste anual não funciona da mesma forma para todos os tipos de plano. Como o próprio nome diz, o ajuste ocorre na data de aniversário de cada contrato. Para planos de saúde individuais e familiares, esses ajustes são limitados pelo índice da ANS, mas os planos podem aumentar menos do que o índice.

Planos empresariais/coletivos

Ao contrário do que acontece nos planos individuais, nos planos de saúde coletivos os reajustes não são definidos pela ANS.  Eles são reajustados através de livre negociação entre a operadora do plano de saúde e o representante do grupo contratante (empresa, fundação ou associação) e a ANS não interfere nessa negociação.

O que interne no valor de reajuste no caso de plano de saúde empresariais (ou coletivos) são o número de sinistralidades com a taxa de inflação médica.

Quanto você pode investir em um plano de saúde?

O primeiro passo é colocar na ponta do lápis um orçamento real de disponibilidade mensal para pagar o plano de saúde. Afinal, não adianta contratar um plano de saúde para ficar apertado e acabar não conseguindo dar conta da mensalidade.

Veja de forma real e coerente o quanto você pode pagar. Existem muitos planos de saúde em oferta no mercado, e com certeza vários se encaixarão no seu perfil!

Faça uma lista das suas necessidades

Para visualizar melhor suas necessidades reais e ter noção do que você espera de um plano de saúde, liste e responda as seguintes perguntas:

– Você precisa de algum atendimento especial?;

– Haverá dependentes crianças ou idosos no seu plano?;

– Você alguma doença crônica ou histórico familiar que possa indicar maior probabilidade a alguma doença?.

Lembre-se: um plano de saúde pode ser ótimo para uma pessoa, mas necessariamente não atender tão bem a outra. E além disso, não adianta ele ser barato, mas não atender suas necessidades!

imagem de um medidor de frequência cardíaca

Não tenha preguiça de pesquisar

Agora que você já sabe exatamente do que precisa, tire um dia para pesquisar com calma, e não tenha pressa. Busque, leia, compare dentre as operadoras que atuam na sua região, e que têm o que você precisa. Ao pesquisar as operadoras TENHA ATENÇÃO — existem muitos planos de saúde parecidos, mas com valores extremamente diferentes!

Lembre-se, o melhor custo-benefício é aquele que você fica satisfeito com o atendimento. Faça uma lista dos que mais gostou e reserve. Agora, faça uma pesquisa de satisfação em relação às operadoras desses planos, busque na internet reclamação dos consumidores, comentários e também peça a opinião dos seus amigos e familiares.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), reguladora dos planos, mantém uma página com Informações e Avaliações das Operadoras. Lá você pode consultar vários dados, inclusive a avaliação da própria ANS e o Índice de Reclamações – entre vários outros dados que você deve analisar.

Avalie a frequência que você viaja e quais são seus principais destinos

Você costuma viajar bastante? Para onde? Se você não é uma pessoa que sai com frequência do seu estado, não precisa pagar por uma cobertura nacional (por exemplo). Da mesma forma, que você também quase não sai do país, também não há porquê pagar por uma cobertura de atendimento internacional — fator que influencia diretamente no aumento do valor do seu plano de saúde.

O caso contrário também existe e é válido. Se está sempre pegando voos internacionais, a trabalho ou a lazer, não vale economizar na cobertura. A assistência médica no exterior é caríssima e não há atendimento gratuito como existe no Brasil com o SUS (Sistema Único de Saúde). Nesse caso, vale ter uma cobertura internacional integrada ao seu plano de saúde.

menino de costas em um campo de blusa e toca

Evite coberturas desnecessárias

Fique atento para não acabar pagando por coisas que você pouco (ou nunca) vai usar, de verdade. Por exemplo, se você é homem e o plano é individual, não é necessária cobertura obstetrícia, certo? Por isso, preste atenção e leia bem todo o contrato antes de assinar! Coisas assim acabam encarecendo seu plano de saúde sem necessidade.

Escolhendo o tipo de acomodação

Antes de contratar um plano de saúde, é preciso entender bem a diferença quando você for escolher o quarto ou enfermaria como acomodação padrão do seu plano. No quarto ou apartamento particular, você fica sozinho na acomodação e com direito a um banheiro privativo. Além disso, você pode optar a ter ou não o direito a uma acomodação com um acompanhante, à sua escolha – fator que também pesa na mensalidade.

No caso da enfermaria, você fica em um quarto coletivo com até 3 pessoas do mesmo sexo, e sem direito a acompanhante. Nos hospitais mais bem cotados, a enfermaria suporta apenas 2 pacientes de cada vez – ou veja, na verdade é um quarto duplo.

O número reduzido de pacientes na enfermaria ocorre por causa dos protocolos contra infecção hospitalar. Portanto, na hora de escolher uma acomodação, que é o fator que mais encarece sua mensalidade, tenha certeza de que ele é realmente necessário para você.

Mensalidade fixa ou coparticipação

Na mensalidade fixa, você paga apenas uma taxa única por mês e usa o plano de saúde à vontade. Já na coparticipação, a mensalidade é bem menor, mas você tem que pagar até 40% do valor de cada procedimento que realizar. Sendo que, no mês, o total não pode ser superior ao valor da sua mensalidade.

Aí a economia vai depender do quanto você utilizou os serviços do plano de saúde. Se você usa com frequência, a mensalidade fixa pode acabar saindo mais em conta.

foto de um bolso com uma carteira dentro e cartões

Plano de saúde individual, por adesão ou empresarial

Os planos individuais estão cada vez mais raros. Por isso, a alternativa de muitos é optar por contratar um plano de saúde coletivo por adesão, vinculado a um sindicato ou entidade de classe – que são bem mais em conta. Se você é MEI, várias operadoras aceitam fazer a contratação de um plano de saúde a partir de 2 vidas, ainda que a maioria aceite a partir de 3. Aqui, mais uma vez a dica é pesquisar e comparar preços para ver o que vale a pena.

Agora sim, você está pronto para economizar quando for contratar um plano de saúde!

Fale com um dos nossos vendedores e conheça todas as opções disponíveis na sua cidade!

Entenda qual é o melhor plano de saúde para você (e para o seu bolso!)
Denise
SOBRE O AUTOR: Posts desse autor

Denise Huguet

Jornalista formada pela PUC-RJ com certificação pela Rockcontent em produção de conteúdo. Já fui repórter, redatora, editora, assessora de imprensa e apresentadora de telejornal com passagens por jornais como O Globo, O Fluminense, A Tribuna e várias instituições de pesquisa e ensino. Desde 2010 me dedico integralmente à produção de conteúdo. Portfólio: https://denisehuguet.wixsite.com/dhcomunicacao

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: