Ir para o conteúdo
Bem estar Medicamentos Saúde

Adeus, rinite! Existe vacina contra esse mal

Leitura: 5 min
395 visualizações

Boa notícia para o verdadeiro batalhão que sofre com rinite: um pesquisador brasileiro descobriu uma vacina capaz de reduzir drasticamente os sintomas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 500 milhões têm rinite no mundo. No Brasil, segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), a rinite ataca 30% dos adolescentes e 26% das crianças. Agora, com o tratamento a longo prazo descoberto por um professor da Faculdade de Medicina de Jundiaí, será possível dar mais qualidade de vida a essas pessoas.

Vacina contra a rinite melhora a qualidade de vida

Após 10 anos de estudos sobre a rinite alérgica, um professor titular de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí, o pesquisador Edmir Américo Lourenço, encontrou um tratamento a longo prazo contra a doença. Segundo ele, a vacina não cura, mas é capaz de reduzir tão drasticamente os sintomas da rinite que parece que o indivíduo está curado.

Para surtir o efeito esperado, no entanto, a vacina deve ser individualizada, elaborada a partir de testes indicativos dos componentes aos quais a pessoa é sensível. Os mais comuns são ácaros, fungos, penas, poeira, pólen ou pelos de animais.

A partir daí a vacina é elaborada de forma individual e específica, de forma a estimular a formação de anticorpos específicos contra aqueles componentes. O tratamento é composto por 30 doses aplicadas durante 1 ano e 2 meses.

Aos poucos o tratamento vai melhorando a qualidade de vida do portador, assim como a qualidade do sono, a capacidade de trabalho e até o humor. No entanto, o pesquisador avisa que, como não é uma cura, a pessoa não deve ser exposta a condições extremas.

Fim do nariz entupido

O estudo foi publicado em março de 2017 no periódico International Archives of Otorhinolaryngology.  Iniciado em 2005, contou com 281 pacientes entre 3 e 69 anos com rinite, e, a maioria, também com asma. Todos foram submetidos a testes de pele e, a partir do laudo de cada um, foram produzidas vacinas individuais. O resultado, após vários experimentos com doses em quantidades e concentração diversas, foi o praticamente desaparecimento dos sintomas.

Quem tem sabe o suplício de viver com o nariz entupido e o desespero quando o remédio acaba. No entanto, os sintomas da rinite vão muito além da obstrução nasal. Coceiras constantes, crises de espirros e coriza atrapalham o sono e a produtividade no trabalho.

No entanto, os riscos são ainda maiores. Rinite e asma, por exemplo, são doenças alérgicas intimamente relacionadas. Segundo a Asbai, 80% das pessoas que têm asma têm também rinite.

Em números, a conta fica ainda mais impressionante. No Brasil, 2 mil pessoas morrem por ano vítimas da asma, 3 pessoas por dia. O problema afeta 67% dos latino-americanos. Em todo o mundo, cerca de US$ 20 bilhões são gastos com rinites alérgicas por ano.

Tratamento só deve ser feito por especialista

Por enquanto a vacina contra rinite só está sendo oferecida em clínicas particulares, com valor em torno de R$ 1,5 mil. De acordo com a Asbai, este tipo de tratamento é conhecido como imunoterapia, mas não pode ser realizado isoladamente.

É preciso que sejam feitos procedimentos concomitantes, como controle ambiental, e medicação profilática ou preventiva. E é fácil de entender. Se você tem 2 milhões de anticorpos e entra em contato com 5 milhões de ácaros, mesmo com a vacina a rinite vai voltar. Outro ponto importante é que ele só deve ser administrado por especialista, caso contrário existe o risco de reações alérgicas graves e óbito.

No caso da vacina desenvolvida pelo pesquisador de Jundiaí, após os testes alérgicos realizados pelo médico, é preciso que seja feita uma solicitação para a produção individual da vacina em laboratório especializado. Os testes podem ser feitos com o alergista do seu plano de saúde. Mesmo assim, os especialistas da Academia Brasileira de Rinologia alertam que a vacina não é para todos. Ela será mais eficaz em indivíduos sensíveis a poucos alérgenos.

Hoje é possível encontrar vários tratamentos contra rinite. A maioria deles, no entanto, encerra seus efeitos quando a medicamento acaba. A imunoterapia, por outro lado, tem a vantagem de manter a pessoa livre das crises de rinite durante anos após o ciclo das vacinas.

Converse com o alergista do seu plano de saúde sobre a possibilidade de fazer a imunoterapia com a nova vacina contra rinite. Lembre-se de que todo o processo deverá ser acompanhado por um especialista.

(Fontes: G1, Saúde Abril, Edmir Lourenço, Brasil 247, Atlas da Saúde, Revista Galileu)

Se você ainda não tem um plano de saúde, veja como é fácil contratar um plano sem sair de casa. Converse com um dos nossos vendedores e aproveite todas as vantagens de uma assistência médica de qualidade.

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: