Ir para o conteúdo
Para Mulheres Saúde

A importância de um acompanhamento ginecológico

Leitura: 4 min
50 visualizações

Isso quem não sabe deve aprender: o ginecologista deve ser o melhor amigo da mulher pelo resto da vida. E não é para menos, além de prevenir e tratar as doenças do aparelho reprodutor feminino, ele também pode diagnosticar diversas outros males. Mas para isso é preciso que as consultas sejam feitas com regularidade, desde a infância. Quando os hormônios começam a dar os primeiros sinais, é a hora do primeiro atendimento. Claro que para quem tem plano de saúde isso fica muito mais fácil, afinal basta passar a mão na carteirinha, escolher o especialista na rede credenciada e marcar a hora. Seja como for, uma coisa é certa, você deve compreender a importância do acompanhamento ginecológico.

Consultas devem começar na puberdade

Da infância à terceira idade, o ginecologista tem papel fundamental na vida da mulher. Ainda que não haja uma idade específica para começar o acompanhamento ginecológico, os especialistas afirmam que as meninas devem começar suas consultas com o ginecologista a partir dos 10 anos ou assim que menstruarem pela primeira vez.

Isso porque, antes mesmo do da primeira menstruação, os hormônios já começam a se manifestar denunciando a puberdade através do aparecimento de pelos e mudanças no formato do corpo. É hora de uma boa avaliação ginecológica, que garantirá a saúde hormonal da menina e também ajudará a criar um hábito bastante saudável: o de ir ao ginecologista.

Plano de saúde com obstetrícia é o ideal para mulheres em idade fértil

Além disso, quem acha a idade muito cedo, basta olhar ao redor. As meninas estão começando cada vez mais cedo a vida sexual, muitas sem a devida orientação. Como resultado, acabam engravidando ou tomando anticoncepcionais de forma aleatória, sem a prescrição médica individualizada. As respostas para suas perguntas cada vez também mais frequentes acabam sendo dadas por fontes não confiáveis e que muitas vezes são as próprias amigas de colégio.

Para evitar estas situações, o ideal é que os pais façam um plano de saúde individual ou familiar com obstetrícia, que garante a cobertura do pré-natal e do parto, em caso de gravidez, além da cobertura automática do bebê. Como o plano de saúde deverá acompanha-la por toda a vida, a qualquer momento que acontecer a gestação a menina ou mulher estará devidamente coberta e com os prazos de carência cumpridos.

Um amigo para toda a vida

Mesmo depois da idade fértil, o ginecologista continua sendo uma figura importante na vida da mulher. É ele quem a ajudará a passar pela menopausa, que determinará se deve ou não haver reposição hormonal, e que também poderá detectar outras doenças, como osteoporose e doenças cardíacas. Em qualquer época ele é a melhor pessoa para esclarecer dúvidas a respeito de assuntos sexuais e hormonais, fazendo o encaminhamento para outros especialistas sempre que necessário.

Se você tem alguma dúvida sobre a cobertura do seu plano de saúde, procure os canais de atendimento da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regulamenta as operadoras; consulte o seu contrato ou fale com o vendedor que a atendeu. Ele prestará todos os esclarecimentos que você precisar. Coloque a sua saúde apenas em mãos competentes, escolha o seu ginecologista da rede credenciada e faça consultas regularmente.

Mas se ainda não fez o seu plano de saúde, converse agora mesmo com um corretor especializado. Hoje há vários tipos customizáveis de forma a caber certinho no seu orçamento e atender a todas as suas necessidades.

Faça uma simulação online sem compromisso e escolha seu plano. 

Recomendado para você:

Postagens mais vistas: